14 de março de 2009

Amores Brutos


Dindá diz: Posso contar uma historia?

OTñI diz: Sim, claro! :D

Dindá diz: Tinha uma menina, menina mesmo...
Morava num lugar calmo, tinha aqueles amigos caretas, estudava numa linda escola, tinha o namorado mais compreensível, adorável, sexy e divertido que alguém poderia ter...
ai essa menina mudou de casa, foi morar na muvuca, no centro de tudo, ficou longe dos amigos, ficou longe das arvores, foi estudar numa escola padrão, com mulheres de terninho e seguranças por toda parte... mas o pior: perdeu o namorado e então o mundo da menina desabou, era como se nada mais tivesse um sentido próprio, era uma confusão de sentimentos muito louca, ai a pior crise se instalou, os remédios não adiantavam, ela apenas dormia, dormia pra esquecer que vivia, dormia e tomava banhos... era incrível como em baixo do chuveiro não existiam problemas, era muito louco como o tempo todo ela se via na necessidade de se limpar, mas não o corpo... a alma.

Então um dia descobriu joguinhos em uma comunidade qualquer, era bom, era divertido e a fazia sorrir, mesmo que só um pouquinho. Numa dessas teve que falar de um certo moço, um moço que incrivelmente conhecia e gostava de todas aquelas cantoras com quem a menina conversava, um moço que nitidamente tinha poesia dentro de si, e então falou dele... em menos de 3 minutos esse moço estava conversando com ela já - o que pra menina era algo incrivelmente surreal, nunca falara com estranhos, nunca tinha usado internet pra isso - ... e foi tudo muito rápido, a poesia veio rápido, a leveza... ele trouxe de volta a ela tudo que ela queria, tudo que ela precisava, trouxe um sorriso e palavras tão bonitas... em duas semanas o moço estava aqui, na porta dela, na cidade dela para conhece-la... e foi a tarde mais incrível de todas... um parque, musicas lindas, frutas... e no final um beijo. Um beijo e mais um e mais um e mais um... e então ele foi embora.

Os dois se falavam todos os dias, ele não ia a faculdade para ficar conversando com ela, eram vários torpedos trocados por dia...
dormiam um com o outro, acordavam um com o outro, mesmo morando em cidades diferentes...
E a menina sabia que não era a única na vida dele, mas não ia perguntar nada, não ia cobrar nada... nunca tinha sido de cobrar, perguntar... e alem do mais levavam uma relação tão bonita...
até que um dia ele veio e terminou tudo, sem mais nem menos "vôce atrapalha minha vida, preciso viver o real, e você é virtual..."

Chorou, chorou um monte, mas passou, no dia seguinte aquele namorado que a havia deixando pouco antes a ligou, ligou pra ela e disse que a queria por perto... ele ia mudar de país, e dizia querer ela nos últimos dias aqui... e então ela aceitou.

Depois disso muitas brigas com o moço poeta, varias discussões... não dava pra continuar falando com ele, ele a deixava sem chão...
e novamente terminou o namoro... "eu te amo, mas você tem outro na cabeça..." - e realmente não conseguia tirar o belo poeta de dentro de si - até que então, num desses encontros de pessoas da tal comunidade encontrou com ele, seu poeta e sua namorada... tentou evitar olhar pra ele... e conseguiu.
Quando chegou em casa abriu a agenda onde ele tinha escrito alguma coisa... dizia que tinha terminado com a namorada, que podia não parecer, mas tinha acabado, e tinha acabado por sua causa... porque ele a queria consigo, e tudo mais...

De repente tudo aquilo que um dia tinha sido doce, mas pesado voltou da maneira mais simples e bonita... as palavras belas, os olhos brilhando... e assim como começou, terminou.

Duas semanas depois ele voltou com a namorada e não a procurou mais.

...ontem foi aniversario dele, veio a tona tudo que ele já disse, tudo que já sofri...
Tão difícil!

por Dindá
:: Amelística, fofa e muito gatinha.

Nenhum comentário: