21 de abril de 2009


*


Teu mais ligeiro olhar facilmente me descerra
embora eu tenha me fechado como dedos, nalgum lugar.
Me abres sempre pétala por pétala como a primavera abre
tocando sutilmente, misteriosamente a sua primeira rosa.

[ ... ]

Compele-me com a cor de seus continentes,

assim como o coração desta flor imagina.

[ ... ]

Não sei dizer o que há em ti que fecha

e abre; só uma parte de mim compreende que a
voz dos teus olhos é mais profunda que todas as rosas.
Ninguém, nem mesmo a chuva, tem mãos tão pequenas...

*
:: Zeca Baleiro

Nenhum comentário: